Por que ela não anda? Não fala? Por que não faz o que o filho da minha amiga, da mesma idade, faz? É comum que os pais se perguntem coisas do tipo e fiquem ansiosos quanto ao desenvolvimento do filho. Mas, acredite: mais importante do que ele fazer isso ou aquilo é a família entender que cada criança tem um ritmo, que deve ser respeitado.

Às vezes, a ansiedade é tão grande quanto a exigência em cima da criança, fazendo com que ela se sinta frustrada por não atender às expectativas dos adultos. Uma das formas para evitar que isso aconteça é a família conhecer os marcos do desenvolvimento infantil (que são as conquistas da criança em cada fase), e entender que elas acontece não só de acordo com a idade, mas segundo o tempo de cada um.

O Ministério da Saúde disponibiliza, por exemplo, uma média de peso e altura esperadas para cada fase. Mas isso é um parâmetro, não uma regra. Assim como os principais marcos do desenvolvimento, que funcionam como referência e não como um motivo de preocupação. Compreender isso é essencial para não passar a ansiedade para a criança, e deixar que o desenvolvimento dela flua normalmente. Com estímulos claro, mas sem cobranças! Veja a seguir o que seu filho deve estar apto a fazer em cada fase, mas lembre-se: algumas crianças podem se adiantar ou atrasar em algum aspecto!

 

Logo após o nascimento – o bebê deve começar a mamar e já demonstrar sinais de prazer (sorrir) e desconforto (chorar e resmungar).

Entre 1 e 2 meses – responde ao sorriso, levanta a cabeça, reage a sons, olha fixo para rostos, vê objetos muito próximos e os segue os objetos com o olhar.

Dos 3 aos 4 meses – é mais ativo. Olha para quem o observa, e acompanha com o olhar. Quando colocado de bruços, levanta a cabeça e os ombros. Mantém a cabeça erguida por períodos curtos. Vocaliza sons como “agu”. Leva as mãos à boca e suga os dedos.

Entre 5 e 6 meses – vira a cabeça na direção de uma voz ou som. Rola, senta com apoio e leva os pés à boca. Responde com sons quando você fala com ele e reconhece o próprio nome. Junta as mãos e bate no brinquedo ou consegue segurar. Põe objeto na boca.

De 7 a 9 meses – gosta de brincar com a mãe e familiares. Pode estranhar pessoas de fora de seu convívio diário. Fica sentado sem apoio e pode se arrastar.

Entre 10 e 12 meses – gosta de imitar, fala ao menos uma palavra com sentido e aponta para o que quer. Engatinha ou anda com apoio. Dá tchau e reconhece o “não”.

Entre 13 e 18 meses – está cada vez mais independente. Quer comer sozinho e já se reconhece no espelho. Fala algumas palavras e anda sozinho. Bebe líquido no copinho.

Entre 19 meses e 2 anos – anda com segurança, corre ou sobe degraus. Não compreende regras, mas chora quando leva bronca e sorri quando é elogiado. Pode atirar objetos quando fica bravo, é possessivo e começa a criar frases curtas (2 a 3 palavras).

De 2 a 3 anos – gosta de ouvir histórias e faz perguntas. Diz o nome e nomeia objetos como sendo seus. Tira sapatos, chuta bola sem perder o equilíbrio, acompanha ritmos batendo palmas, está pronta para o desfralde, as frases vão aumentando e surge o plural, pergunta ‘cadê”, ‘o que”, “onde”…

De 3 a 4 anos – quer aprender sobre tudo e gosta de brincar com crianças. Imita situações e consegue vestir roupas sem ajuda. Gosta de desenhar. Consegue segurar um lápis na posição correta, pedalar e construir frases com até seis palavras. É capaz de separar objetos por tamanho e cor, sabe o que é igual e diferente, lembra e conta histórias.

De 4 a 6 anos – corre e pula alternando os pés. Conta ou inventa pequenas histórias. Consegue usar a tesoura e cortar papel, e tem maior domínio no uso de talheres. Expressa sentimentos, fala muitas palavras e identifica algumas letras e números.

 

Leia também!

Os benefícios dos animais de estimação para a criança

Como estimular a alfabetização infantil

A importância do vínculo para o bebê

One Response

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.