Ela vem quando menos esperamos, pode acontecer em casa ou no meio de uma multidão, e a única coisa que temos certeza é que na hora do ataque de birra dá vontade de sumir! Apesar de muitas pessoas associarem a birra com má educação, ela pode acontecer com qualquer um e em diferentes circunstâncias. Às vezes é a forma que a criança encontra para demonstrar sua irritação com um obstáculo criado pelos pais; em outras está relacionada apenas com uma frustração interna da criança, por não conseguir lidar com um sentimento, por exemplo. Uma coisa é certa: você vai precisar se preparar para quando esse dia chegar, ou se repetir.

 

A primeira coisa a se lembrar é que não adianta pedirmos calma para os pequenos se nem nós mesmos conseguimos nos manter tranquilos. Muitas vezes um ataque de birra acaba sendo o estopim para nós e também explodimos. Mas por mais difícil que isso seja, tente manter a calma, isso vai dar uma sensação maior de tranquilidade para a criança, além de ser uma forma de você demonstrar para ela que as coisas podem ser solucionadas com tranquilidade, não com gritos e brigas.

 

Saber diferenciar a origem da birra também é importante. Em alguns momentos, a criança pode estar “testando seus limites”, ou seja, ela vai tentar e tentar até perceber até onde pode chegar com você. Nessa hora é ainda mais importante se manter calmo, mas sem deixar a birra crescer, seja firme em sua postura e decisão.

 

Já birras originadas por frustrações da criança consigo ou por situações em que ela esteja doente ou cansada merecem mais atenção e carinho dos pais. E carinho não é apoiar a birra, ao contrário, é se abaixar na altura da criança, abraçar ou manter a conexão entre vocês e transmitir uma sensação de tranquilidade. Perceber que você está ali para ela, sendo empática ao que ela está vivenciando, já é um importante sinal de que as coisas vão ficar bem e esse pode ser o primeiro passo para a trégua.

 

Uma das coisas mais importantes nesses momentos de ataques de birra é manter uma boa comunicação não-verbal. Às vezes nosso gesto gera mais impacto para os pequenos do que nossas palavras. Então, se ela está esperneando sem parar, você pode, com calma, falar somente uma frase: “Vamos esperar você se acalmar”. Se estiver em casa, você pode levá-la ao quarto ou para um ambiente sem muitas atenções e pedir que ela se acalme para, depois, conversarem. Por mais que você queira contrapor na hora, o ideal é deixar o clima esfriar e ela se acalmar. E isso vai acontecer!

 

Se você tiver outras técnicas ou dicas do que costuma funcionar na sua família, conta pra gente!

 

Leia mais:

Os terríveis dois anos da criança

Personagens birrentos são um mau exemplo para as crianças?

Aprendendo a lidar com as frustrações

One Response

  1. Daniela

    Meu filho já teve uma birra que durou mais de uma hora…eu o segurei forte junto a mim durante todo este tempo,já estava desesperada mas consegui manter a calma!😉

    Responder

Deixe uma resposta